Comprar por impulso ou com responsabilidade? No dia mundial do consumo colaborativo, saiba mais sobre a nova tendência e participe.

Por Maria Augusta Ribeiro

Pesquisas confirmam que 49% das mulheres compram por impulso, mas o corte nos gastos e o planejamento econômico familiar estimulam uma nova tendência, a de se consumir com responsabilidade.

consumo-colaborativo-#belicosa555O chamado mercado colaborativo não é uma prática nova, mas atual, e possibilita a aquisição de produtos e serviços sem a necessidade de envolver muito dinheiro no negócio.

Assim trocas, compartilhamentos e alugueis incentivam um maior número de pessoas a gastar menos, mas ao mesmo tempo consumir o que precisam ou desejam.

Com a internet, este consumo colaborativo ganhou novos mercados, e o de luxo também entrou na onda, com sites que emprestam bolsas de grifes famosas e em ótimas condições, trocam produtos seminovos e oferecem serviços permutados.

Condomínios, escritórios virtuais e alugueis de salas por temporada conseguem ser bem sucedidos e compartilham tudo, desde ferramentas até serviços de mala direta e de jardinagem.

 consumo-#belicosa555A ideia de fazer compras e ainda ser sustentável é o diferencial do consumo colaborativo, incrementando ganhos econômicos e consumindo com responsabilidade.

Coopere para o consumo cidadão, compartilhe serviços em condomínios, troque roupas em bom estado com suas amigas e ainda empreste suas bolsas de grife a preços acessíveis. Veja alguns desses sites:

http://bobags.com.br

 www.descolaai.com

 www.tomaladaca.com.br

zazcar.com.br

Compartilhe:






Saiba mais sobre
Comportamento Digital

Conteúdo especializado produzido por
Maria Augusta Ribeiro

Leia também



netnografia

Netnografia: A pesquisa por trás das telas

Saiba quais as vantagens dessa pesquisa que busca ouvir o consumidor online

economia da atenção

A economia da atenção em 2022

Como a atenção do consumidor as telas é moeda valiosa para a economia da atenção em 2022

vicio

5 Dicas para combater o vício em smartphones nas crianças

Quais atitudes vão te ajudar a evitar o vício das telas nas crianças