Saiba por que manifestantes são financiados para promover vandalismo, incentivados pela prática do terrorismo social.

Por Maria Augusta Ribeiro

A morte do cinegrafista da Band causada por morteiro aceso por manifestante expôs o perigo dos protestos no Brasil, e jovens mascarados reivindicam seus direitos se esquecendo dos outros e promovendo assim o chamado terrorismo social.

Terrorismo-socialEsta prática recruta e financia jovens de baixa renda, com idade média de 20 anos, para criar algazarra, vandalizar e violentar a sociedade, formando grupos em meio aos protestos pacíficos, com objetivos escusos.

Causando depredações, violência e pânico generalizado, são a forca braçal de interesses maiores, chegando a receber até R$ 150,00 por manifestação em que participam. E caso sejam engajados, correm o risco de se tornarem celebridades, e não simples ativistas.

protesto-rio-#belicosa555

Aos que precisam trabalhar em meio ao caos instalado em cada protesto, o cuidado e a atenção agora serão redobrados. Já a população, que evite sua participação real, procure outras formas de debater problemas sociais, estimular o engajamento cidadão ajudando sua comunidade, bem como se utilize da internet para promover o bem e a cidadania.

O exercício da democracia brasileira vinculou a participação da população nos movimentos chamados “Vem para a rua”, como forma de protesto em prol de melhorias para a sociedade. Agora, isso passa desapercebido em meio à negligencia de cada cidadão que vota de qualquer  jeito e elege políticos que não representam seus interesses, faltando com a  garantia do acesso à educação e segurança, que não se vê em manifestações de rua.

E você, acredita que somos negligentes ou que o terrorismo social é o culpado disso?

Compartilhe:






Saiba mais sobre
Comportamento Digital

Conteúdo especializado produzido por
Maria Augusta Ribeiro

Leia também



netnografia

Netnografia: A pesquisa por trás das telas

Saiba quais as vantagens dessa pesquisa que busca ouvir o consumidor online

economia da atenção

A economia da atenção em 2022

Como a atenção do consumidor as telas é moeda valiosa para a economia da atenção em 2022

vicio

5 Dicas para combater o vício em smartphones nas crianças

Quais atitudes vão te ajudar a evitar o vício das telas nas crianças