À medida que o digital se transforma e passa a ser cada vez mais indispensável em nossas vidas os efeitos dessa relação também evoluem.  E com ele um triste cenário é realidade: As doenças causadas pelo uso excessivo da internet estão devastando nossa saúde e a nomofobia é uma delas.

O termo nomofobia foi inventado em 2009 no Reino Unido e vem da abreviação da palavra “no mobile-phone-phobia”.

A dependência do dispositivo eletrônico causa uma sensação infundada de comunicação no usuário que não tem o aparelho, seja porque o deixou em casa, porque a bateria descarregou ou porque está fora da área de cobertura.

nomofobia

smartphone

De acordo com um estudo do YouGov Real Time em 2019 cerca de 44% dos britânicos pesquisados ficavam ansiosos se não pudessem usar o celular para “manter contato” com seu círculo durante a pesquisa.

O IBGE no Brasil aponta que temos mais smartphones em uso do que habitantes e isso gera mais polemica ao caso. Sim, tem gente com mais de um dispositivo na mão e o uso vai ser excessivo.

O que fazer para evitar prejuízos? Aqui vão 3 calmantes naturais poderosos para evitar a nomofobia antes que precise de diagnostico medico.

nomofobia1.Dormir Bem

Jordan b. Peterson afirma que o corpo humano precisa funcionar como uma orquestra bem ensaiada, ou seja, hábitos errados de sono e alimentação podem interferir nesse processo.

Consegue acordar todos os dias no mesmo horário? Se a resposta for NÃO,  há uma grande chance do smartphone estar interferindo no seu sono.

Imagine que seu cérebro é um supermercado em dia de promoção. Filas no caixa, produtos faltando, bagunça espalhada pelo chão. É ao fechar as portas da loja é feita a limpeza, contado o dinheiro e reposto o produto. Por isso precisamos dormir bem.

nomofobia

  1. Diminuir o uso do dispositivo

Foi diagnosticado por um profissional? Ou acredita que precisa de ajuda porque usa em excesso as telas? As respostas aos seus problemas são simples diminua o uso.

Porem não adianta ser dependente de tecnologia e suspender todo o digital da sua vida de uma vez. Isso vai lhe causar uma crise de abstinência e os prejuízos no corpo são devastadores.

Comece estabelecendo um local e um momento onde é proibido as telas, por exemplo no quarto. Isso significa zero smartphone, tablets, pus e smart tv.

Outro fator é ter disciplina para repetir a operação todos os dias ate conseguir ficar sem os dispositivos sem esforços. Se tiver crianças, peça ajuda elas vão te dizer que esta usando as telas em local e horário proibido, isso vi ajudar.

nomofobia

  1. Contato com a natureza

 

O caos no trânsito, pessoas, telas, entre outros, tudo isso grita ao nosso cérebro informações demasiadas que nos trazem como consequência o cansaço, estresse excessivo e fadiga.

É em um vislumbre em meio à natureza que conseguimos entregar um alívio ao cérebro de maneira que possamos recuperar nossas forças.

Ao contemplar a natureza melhoramos a capacidade de concentração e a memoria, além de proporcionar relaxamento.

Na natureza encontramos auxilio para processos de cura, além de estimular a curiosidade e criatividade.

Um dos melhores elementos da natureza é o sol. Uma exposição de 15 minutos diários auxilia a absorção de vitamina D que protege o sistema imunológico evitando doenças.

Pode parecer meio boba tantas informações simples e acessíveis a todos para evitar a nomofobia e ainda contribuir para nossa saúde mental apenas transformando o que é em informação para conhecimento na guerra contra os excessos da vida moderna.

 

Por: Maria Augusta Ribeiro. Especialista em Netnografia e Comportamento Digital Belicosa.com.br

nomofobia-o-vicio-em-celular-que-pode-levar-ao-suicidio

 

Compartilhe:






Saiba mais sobre
Comportamento Digital

Conteúdo especializado produzido por
Maria Augusta Ribeiro

Leia também



nomofobia

3 Calmantes naturais para evitar nomofobia

Porque o uso do smartphone em excesso deve ser evitado

Netnografia

Como as marcas estão usando a Netnografia

Se conectar ao consumidor moderno é estratégia essencial no mercado digital

hiperconectados

Hiperconectados e menos felizes

Porque os jovens atuais estão crescendo despreparados para a vida adulta