Por: Maria Augusta Ribeiro.

O senso de que a Internet é uma entidade democrática, independente e que permite trocar dados é fato. Mas já parou para pensar que, além disso, quem faz a Internet somos nós?

cena-do-filme-connected-a-declaration-of-interdependence-1302280886116_615x300No universo digital há pontos negativos e positivos desse acesso. Mas, durante muito tempo, a Internet foi considerada uma rede solitária, onde tudo se encontra e se resolve.

Sim, temos desde conteúdo ruim, impróprio e desigual. Mas também temos a possibilidade de aprender coisas, saber o que se passa do outro lado do mundo em tempo real e encurtar distâncias.

o-USING-CELL-PHONE-570Porém, se este ambiente virtual não for alimentado por nós, se tornará um ambiente estéril; ou seja, a Internet somos todos nós. Bons, maus, altos, baixos, gordos ou de olhos azuis.

Se não fizer um post na rede social, o jornal não publicar uma notícia, ou uma empresa não anunciar um produto online, com o tempo este universo se empobrece e deixa de ser útil.

global-internetHoje, com a Internet, estamos mais conectados. Digitamos mais, conversamos menos, e utilizamos dispositivos cada vez menores, mais rápidos e resistentes. Tudo isso para contribuir com o seu tempo de permanência online, mas com informações que foram coletadas na vida real.

Não se iluda: Há mais desemprego, desigualdade e corrupção por causa do acesso à Internet. Mas, se a gente não cuidar dela, certamente alguém o fará, e com isso irá determinar para onde você e irá, e não para onde deseja ir.

Compartilhe:






Saiba mais sobre
Comportamento Digital

Conteúdo especializado produzido por
Maria Augusta Ribeiro

Leia também



telas

Será que sou dependente das telas?

Saiba porque a tecnologia esta criando gerações dependentes das telas

jogos online

Jogos online: vilão ou mocinho?

A exposição aos jogos online está oferecendo mais riscos do que benefícios?

netnografia

Netnografia: 3 Formas de analisar o comportamento do consumidor

Metodo de pesquisa digital vai ajudar o empreendedor a entender o consumidor -netnografia