Campanha promove o debate sobre a segurança da mulher.

Por: Maria Augusta Ribeiro

Parece banal, mas não é. Cantada grosseira, assobio e comentários deselegantes de homens a mulheres que não conhecem é assédio sexual. Sem exageros, esta pode ser a porta de entrada para coação, violência e estupro contra a mulher.

street-cantada-#belicosa55Assim a brilhante campanha “Chega de Fiu Fiu”  idealizada pelo Think Olga, um canal que promove a elevação da discussão sobre a feminilidade nos dias de hoje. Visa conscientizar as pessoas sobre os perigos de uma cantada, intimidação feminina e sobre o assédio sexual.

chega-de-fui-fiu-#belicosa55De maneira inteligente criaram um site onde você pode mapear e registrar onde sofre uma cantada ofensiva. Chega de Fiu Fiu

O objetivo é fazer um panorama brasileiro de onde ocorrem os “fiu fius”, alertar as mulheres, e ainda educar a população masculina sobre os riscos que uma cantada grosseira pode trazer, tanto na vida da mulher quanto na do homem, que pode ser processado por assédio.

cantada-#belicosa55A ação não deseja promover o fim da cantada charmosa, e sim estimular o debate com conteúdo interessante sobre o que é ou não violência contra a mulher.

educar-#belicosa55Vale a pena educar os meninos sobre a diferença entre cantada e assédio, ensinar as meninas sobre o que é violência ainda que verbal, e incentivar um coletivo intelectual a que busque proteger as pessoas.

Então, cantada cheia de elogia pode, o que não pode é assédio, ok?

fazer-um-homem-feliz-#belicosa55

Compartilhe:






Saiba mais sobre
Comportamento Digital

Conteúdo especializado produzido por
Maria Augusta Ribeiro

Leia também



#netnografia

Pai, você presta atenção ao tempo de tela do seu filho?

Porque o pai é o responsável pela tecnologia absorvidas pelas crianças em casa

netnografia

Belicosa: A força da Netnografia no Séc. XXI

Saiba quais as vantagens dessa pesquisa que busca ouvir o consumidor online

#maturidadedigital #telanamao #criancasetelas #maturidade #belicosa

Seu filho tem maturidade para ter uma tela na mão?

Saiba porque crianças menores de 10 anos não tem maturidade necessária para administrar o