Como participar de movimentos pacíficos e sabotar os violentos de forma democrática.

Por Maria Augusta Ribeiro

manifestacao-copa1014-#belicosa555Manifestações em todo país preocupam o governo e assustam os brasileiros. Movimentos que clamam por  mudanças são acompanhados de quebra-quebra e algazarra. E cidadão  nao sabe  se protesta ou nao.

Interesses partidários, empresas de marketing e grupos mascarados fazem da exibição popular um rito violento.

Lojas, carros, pessoas e o que estiverem no caminho é atacado. Para que? Exigir mudança? Qual ? A violência a qualquer preço?

copa-#belicosa555Nação articulada transforma um pais nao a violência que ela gera. Em 92 os “Caras Pintadas” conseguiram depor um presidente da republica, sem jamais usar mascara, bater em alguém o depredar patrimônio publico.

Não adianta 66% da população estar insatisfeita com seu governo e contribuir para mais violência. A saída é sabotar as manifestações violentas de forma inteligente.

Sua adesão a uma manifestação dependerá de pesquisa, pergunte a seus amigos, use as redes sociais e leia fontes de credibilidade para se informar sobre o real interesse do protesto que deseja participar.

manifestacao-copa2014-#belicosa555Denuncie agressores, filme e tire fotos ajude a identificar quem usa e violência em movimentos que tem objetivo de mobilizar a sua opinião.

Debater ideias, defender pontos de vista e votar de forma consciente são a saída para as mudanças que tanto desejamos em nosso país, nao mais violência.

Sabote os movimentos violentos!!!

Manifestações-Populares-#belicosa555

Compartilhe:






Saiba mais sobre
Comportamento Digital

Conteúdo especializado produzido por
Maria Augusta Ribeiro

Leia também



aulas online

AULAS ONLINE: A realidade que não ensina mais.

Porque as telas não auxiliam o aprendizado nas aulas online

netnografia

Netnografia: Mapeando os hábitos do consumidor on-line

Método que mistura pesquisa de mercado com internet está ajudando empresas a posicionarem

BBS

BBS Você sabe o que é isso?

BBS: Bebês, Babás e Smartphones. Tudo o que precisa saber sobre as telas